Segunda, 12 de Abril de 2021 15:32
83 986952059
Especiais Literatura

Do ínfimo,

pequenas grandezas

03/01/2021 11h35
263
Por: Carolinne Taveira

À Manoel de Barros

Parou diante de mim com uma pedrinha em uma das mãos. Carregava-a com um cuidado de vidas. Parou diante de mim e colocou-a na altura do cardíaco com as mãos a abraçarem a pedra. Levou-a aos lábios, beijou-a, depois, aproximou-a rente ao ouvido esquerdo. Fez: shhh, escuta. Estava já em silêncio, que aumentou um tanto mais, depois que me pediu para escutar. Não ouvi nada, mas ele pareceu ter percebido algum som, pois me abriu um sorriso gigantesco. E perguntou: você ouviu? Ouviu? E eu sorri de volta, sem conseguir responder-lhe, pois, envergonhada da minha condição de não ouvir, também não pude dizer que sim, pois seria mentira. Ele aproximou a pedrinha na altura do meu cardíaco e pediu que eu a segurasse e entregou-me com zelo. A pedra tinha o tamanho de uma formiga. Pediu que eu a beijasse depois pusesse próximo ao ouvido. O fiz. Beijei-a, e aproximei-a ao ouvido. Nós dois em silêncio. Até que ele abriu um sorriso esperançoso e curioso e perguntou se eu estava ouvindo. Você ouviu? Desejei escutar com tanta força que esqueci de ouvir. E o meu silêncio fez com que ele segurasse a mão que estava a pedrinha, como se para me dizer que iria me ajudar a ouvir e disse: presta atenção, vai ser muito rápido, tá preparada? Eu disse que sim. E como num estalo, ele avisou: passou. Entristeci-me, havia perdido a oportunidade de ouvir. Percebendo a minha decepção, ele se aproximou ainda mais de mim e disse: mamãe, precisa prestar muita atenção. Aprendi que o ouvir nunca vem acompanhado de voz e que precisava ser mais atenta às grandezas do ínfimo. Quando íamos embora, beijou a pedrinha, colocou-a na altura do coração novamente e acolheu-a ao chão, próximo a um raminho de planta. Não queria levá-la e mais tarde me disse o motivo: para que a plantinha pudesse escutar o que ele escutou. E o que você ouviu? Perguntei. Ele me respondeu: Mamãe, eu não posso dizer, é segredo de segredo. Outro dia retornei ao lugar, pus a pedrinha rente ao coração, beijei-a e aproximei-a ao ouvido, pensando “faz-me ouvir, faz-me ouvir”. Enquanto que uma lufada de vento soprou dentro de mim e pude compreender. Há grandezas que não se chegam às palavras. O que ouvi encheu meu coração de silêncio. E amor.

 

{Hoje completa um ano que escrevo para este jornal. Sou grata aos que me leem e sou grata pela oportunidade de aqui publicar o meu trabalho}.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Carolinne Taveira
Sobre Carolinne Taveira
Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Literatura e Interculturalidade (PPGLI), da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Possui Mestrado em Literatura e Interculturalidade, pela UEPB (2021) e graduação em Letras - Língua Portuguesa, pela UEPB (2017). Atualmente desenvolve pesquisa na área de Literatura Brasileira Contemporânea e Estudos de Gênero. É membro do Grupo de Estudos de Literatura e Crítica Contemporâneas (GELCCO).
Fagundes - PB
Atualizado às 15h27 - Fonte: Climatempo
28°
Muitas nuvens

Mín. 21° Máx. 29°

29° Sensação
17 km/h Vento
62% Umidade do ar
90% (10mm) Chance de chuva
Amanhã (13/04)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 30°

Sol e Chuva
Quarta (14/04)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 30°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.
Mais lidas
Ele1 - Criar site de notícias